falando sério

Feliz Natal | Amor Para Todos

09:00

Miau! Hoje o post é um dos clássicos de final de ano, sobre o Natal. Adoro essa data por trazer o clima de "hoje é festa", trocar presentes, de juntar toda a família e confraternizar, das pessoas desejarem paz, amor, felicidade e tudo que há de bom. Natal é dia de lembrar do nascimento de Cristo por parte daqueles que como eu, acreditam.


Talvez esse senso comum de que Cristo nasceu para nos salvar traz a esperança no nosso coração. É uma das poucas datas que podemos ver de fato todos em busca do que há de melhor no ser humano e isso é lindo. Além disso, é uma data que inspira, nos faz querer ser bom. O Natal também reúne as famílias, faz com que todo mundo fique juntinho, sempre rola amigo secreto, troca de presentinhos e quase sempre traz histórias que ficam para sempre - de vez em quando tem umas brigas, mas faz parte. Vale lembrar da comida MARAVILHOSA que só é feita no Natal, não consigo entender porque deixamos as melhores receitas para um único dia.

Que nosso dia - hoje e sempre - seja repleto de felicidades e alegrias! E que ainda assim tenha espaço para lembrar de que há pessoas que precisam do amor, que infelizmente não vão estar com a família e que provavelmente não vão ter uma ceia gorda com direito a roupinha nova. Vamos usar esse sentimento de compaixão que aflora nessa época realmente para o bem, olhar para o lado! Doações são sempre válidas, podendo ser comida, roupa e até mesmo a presença física. Escolha nesse Natal uma instituição para doar ou leve o que puder até alguém que precisa. O importante é ajudar sem olhar a quem. Afinal, o Natal é uma data em que TODOS merecemos ser felizes! E que seja Natal todos os dias <3 Beijinhos, @jumaynart 



bc

Transição Capilar | Lidando com as consequências parte 2/3

16:28

Miau! Antes de tudo quero agradecer muito pela repercussão da parte 1, vocês nem imaginam a felicidade que eu tive em saber que tá sendo útil para muita gente. Nessa parte 2 vou falar mais sobre o desastre que foi minha primeira transição, como eu lidei com o maior corte químico que já tive e como eu resolvi parar de alisar de vez.


No post anterior eu terminei falando sobre o corte químico que foi o decisivo para largar os alisantes. Então, nesse corte eu estava justamente tentando cachear com amônia usando bigundinho, o que claramente não deu certo. Eu tinha uns 16 anos, quase 17, e meu cabelo estava num comprimento médio, além de alisar tinha inventado de colorir o fundo - que foi a época mais feliz de todas, morro de saudades do meu vermelhinho

Passei 01 ano com o cabelo colorido no fundo que misturado com os produtos detonou bastante, nesse período eu viajei e ai não tive cuidado nenhum, hidratação nenhuma e só me restou cortar o cabelo na volta. Na época tava passando uma novela e eu me apaixonei pelo corte da Sophie Charlote. Bem plena, fui na cabeleireira e cortei igual - para minha sorte ficou maravilhoso!

Esse foi de longe um dos cortes que mais gostei (e usei por muito tempo). Até que resolvi tentar cachear com bigudinho, o cabelo já estava mais forte e achei que não teria problema. O que aconteceu de fato foi que o cabelo caiu e não foi pouco. A cabeleireira chorou, um corre corre no salão, e eu sem nem saber o que tava acontecendo, foi ai que veio a bomba "vamos precisar cortar seu cabelo". Para a surpresa de todos, principalmente de minha mãe, eu não me importei com o fato de ter que cortar o cabelo bem curto, fiquei com um Chanel muito estiloso e segui a vida.
(Desculpem pela qualidade da foto, juro que procurei por uma melhor)

A vida não seguiu tão tranquilamente assim. Nas fotos não dá para perceber, mas a parte de trás estava um cotoquinho, meu cabelo nem parecia que teve volume algum dia porque foi muito grave. Ninguém podia passar a mão no meu cabelo, porque caíam uns tufos, banho de piscina era impossível porque o cabelo molhado ficava ainda mais fraco, ou seja, foi uma bagaceira. Nesse momento eu vi que tava na hora de dar um basta na situação, parei com a amônia, migrei para um produto um pouco mais fraco para "baixar a raiz". Consegui recuperar meu e ai começou minha fase falsa cacheada.



Aqui em Salvador tem um salão especializado em cabelo cacheado e crespo. Uma amiga minha frequentava e me indicou, fui lá fazer um teste e o cabelo aguentou e ficou com o cacho lindo, o resumo da ópera vocês já imaginam: cacheei com amônia. Diferente de todas as outras vezes, o cabelo REALMENTE cacheou!! Foi uma felicidade sem tamanho, eu já estava na faculdade, meus colegas falaram como ficou lindo e toda aquela agonia de "tá tão mais bonito com os cachinhos"... Repeti esse processo por mais duas vezes e na última vez percebi que o cabelo estava voltando a ficar fraco e que sai de uma "escravidão" para outra, resolvi entrar novamente em transição. 

A grande diferença dessa segunda transição para a primeira era que meu cabelo já estava com cachos. Foi muito mais fácil para lidar com a raiz e com o que eu via no espelho, eu também estava mais madura, tinha outro pensamento. Mesmo com o desejo de deixar cachear de forma natural, não tinha abandonado as químicas mais fraquinhas para "soltar os cachos". Posso dizer que já estava feliz com a forma que meu cabelo estava, os cachos eram como eu sonhava, estava de novo macio, bem cuidado, mas tinha uma coisa que me incomodava de forma absurda que eram as pontas lisas.

Eu detestava o fato das pontas ficarem super lisas e o restante do cabelo cheio. Encontrei outro salão especializado em cabelos cacheados e crespos que usa um tratamento bem natural para definição e já falei dos produtos aqui nesse post. Amadureci um pouco mais o sentimento de "perder" meu cabelo, já pensava em fazer o big chop (BC) e criei coragem para agora em novembro/2016 cortar toda a parte que ainda tinha resquício de químicas. Meu BC e tudo como lidei com ele vai tá aqui no blog na parte 3 - a última dessa saga da transição. Espero que essa parte 2 ajude vocês tanto quanto a primeira! Beijinhos @jumaynart <3 

bc

Transição Capilar | Como tudo começou Parte 1/3

20:30

Miau! O post de hoje é muito especial para mim porque é algo que tenho vontade de trazer ao blog faz tempo. Depois de tanto enrolar, ficar indecisa, resolvi contar sobre minha transição capilar e falar um pouco sobre o temido BC


Nessa primeira parte eu posso dizer que quando criança eu tinha cachinhos lindos, mas, como toda pré adolescente boba que se deixa levar pelos modismos, eu fiquei super insatisfeita com o volume que meu cabelo tinha. Então, assim que menstruei, consegui fazer meu primeiro relaxamento com amônia. Meu cabelo sempre foi do tipo 3C e lembro que eu fiquei me achando a diva com um cabelão e os cachos mais soltos como o 3A. Com o tempo e mais processos, ele foi perdendo tanto o brilho quanto a elasticidade do fio - para piorar a situação eu penteava com pente fino e sempre para reduzir o máximo de volume que dava.

Eu devia ter uns 10 anos quando fiz esse primeiro relaxamento e depois disso não parei mais de colocar química. Enquanto estava soltando os cachos eu achava bem tranquilo, até que um belo dia com uns 12 anos eu fui num salão e a cabeleireira disse que não alisaria o fio... Acontece que a bonita achou meu cabelo muito cheio e para diminuir o trabalho dela, ela primeiro tacou um produto que até hoje eu não sei qual foi e em seguida fez progressiva, resultado? Meu cabelo não formou mais nenhum cacho.  

Não vou mentir que na época eu amei, fiquei parecendo uma índia, vivia balançando o cabelo e apesar de parte da família não concordar com minha decisão, eu continuei alisando. Isso continuou por muitos anos, até que com uns 15 anos eu comecei a me cansar dos cortes químicos que eram frequentes e de ser "escrava" da prancha. Então foi ai que resolvi entrar na transição que nem se chamava assim, era apenas um "vou parar de alisar", não tinha tanta informação como tem hoje, não tinham tantas garotas para se inspirar e ver alguém de cabelo cacheado ou crespo na tv? Quase um milagre.


Por essa falta de incentivo externo e a tão falada representatividade, não tive paciência e quis adiantar o processo natural. Como? Deixei a raiz crescer 3 meses como de costume e então fiz o que chamavam de "progressiva afro", nada mais é do que usar o produto do relaxamento e colocar os bigudins para formar os cachos. CLARO que o resultado não é maravilhoso, ainda mais se o cabelo estiver alisado para voltar a cachear. Mas, para o que tava, foi o suficiente para eu rever meus cachinhos depois de tantos anos que eu nem lembrava como ele tinha sido um dia.

Esse período foi o que mais senti medo da opinião das outras pessoas. Eu já não tinha uma auto estima tão alta assim, tinha vários complexos com meu peso e aparência e ai do nada aparecer com o cabelo com várias texturas era um pesadelo. Então a minha primeira tentativa de transição foi de longe a pior e como se pode imaginar, eu desisti no início ainda e voltei a usar o cabelo chapado por mais 2 anos até o momento que ele partiu e eu fiquei com um corte Chanel. Considero esse momento como o decisivo para minha mudança que é visível hoje e esse capítulo fica para o próximo post! Vou aguardar todos vocês aqui, participem pelos comentários ou pelo instagram @jumaynart. Beijinhos!

OBS: Esse post vai ser divido em três partes por conta da quantidade de fotos e a dificuldade de encontrar/reunir todas elas <3
OBS: BC= Big Chop = Grande Corte. É quando cortamos a parte alisada do cabelo para ficar apenas a natural.
 

Flickr